quinta-feira, 4 de março de 2010

Johnny Alf - Olhos Negros (1990)


























Foto: Camilla Maia (Agência O Globo)
Composição: Helô


O disco de hoje foi publicado aqui no dia 1° de julho de 2008. Republico em homenagem ao grande Johnny Alf, falecido nesta data em São Paulo. Acrescento ainda uma ótima crônica de Ruy Castro escrita para o caderno Opinião da Folha de São Paulo (09/05/2009), por ocasião dos 80 anos de Alf.

Rapaz de bem

RIO DE JANEIRO - O pianista, compositor e cantor Johnny Alf fará 80 anos no dia 19 próximo. Se todos os artistas que ele influenciou se dessem as mãos, a corrente humana iria de Vila Isabel, na zona norte do Rio, onde nasceu, em 1929, a Santo André, no ABC paulista, onde mora há dois anos, numa casa de repouso, desde que se submeteu a uma cirurgia e a um longo tratamento.
Exceto por alguns shows promovidos por seus fãs - Leny Andrade, Alayde Costa, Emilio Santiago, Cibele Codonho -, não se sabe de homenagens à altura da sua importância. Neste aniversário, ele mereceria um ciclo inteiro de espetáculos reunindo músicos de sua turma (ainda há muitos na praça) e das gerações mais novas, reconstruindo sua obra em vários contextos: orquestra, pequeno conjunto, piano solo, vozes, gafieira, jam session.

Os museus da Imagem e do Som do Rio e de São Paulo promoveriam palestras e debates sobre o estado de coisas na música popular quando ele apareceu ao piano de uma boate carioca em 1952 e de como, pouco depois, tivemos a bossa nova. O próprio Johnny gravaria um extenso depoimento para esses museus. Uma TV produziria um especial a seu respeito. Uma editora lançaria seu songbook. E seus discos, sempre difíceis de encontrar, seriam relançados. Mas não há nada disso programado.

Johnny não tem aposentadoria nem plano de saúde. Vive de uma pequena poupança e dos caraminguás de seus direitos autorais -e olhe que ele é o autor dos sambas "Rapaz de Bem" e "Fim de Semana em Eldorado", do baião "Céu e Mar", dos sambas-canção "O Que é Amar" e "Eu e a Brisa" e de muitos outros standards da música brasileira. Os 80 anos de Johnny começam daqui a alguns dias e levarão um ano para se completar. Ainda há tempo para homenageá-lo. De preferência, com ele ao piano.


Sem comentários :(






























Eu e a Brisa
(Johnny Alf) - Faixa nº 8
Canta: Gilberto Gil

Ah, se a juventude que essa brisa canta
Ficasse aqui comigo mais um pouco
Eu poderia esquecer a dor
De ser tão só
Pra ser um sonho

E aí, então, quem sabe alguém chegasse
Buscando um sonho em forma de desejo
Felicidade então pra nós seria

E depois que a tarde nos trouxesse a lua
Se o amor chegasse eu não resistiria
E a madrugada acalentaria a nossa paz

Fica! Oh, brisa fica, pois talvez quem sabe
O inesperado faça uma surpresa
E traga alguém que queira te escutar
E junto a mim queira ficar.

5 comentários:

Adelino P. Silva disse...

Helô, tem certos autores que de tão pouco divulgados só são lembrados quando partem desta Vida. E também só nos lembramos deles, quando ouvimos as suas composições e nos perguntamos:
- "De quem é esta canção? Quem compôs?"
Por isso a enorme importância desta sua criação maravilhosa que é o "Rio em Disco".
Eu me penitencio: não sou muito chegado a Bossa Nova, mas achava esta canção maravilhosa e só hoje fiquei sabendo o nome do seu autor.
Beijos

Oscar disse...

Belíssima homenagem, Helô. Para mim, ele foi do tamanho (se não maior) do Jobim, mas nunca foi reconhecido como tal. Introvertido, low profile, não badalou nem marqueteou-se como os grandes astros da bossa nova. Perda irreparável. Mas agora, depois de morto, vai ser endeusado. Você é que já vinha há tempos enaltecendo sua obra.
Beijão
Oscar

ana laura diniz disse...

helô, querida. só agora vi o seu recado. fazia tempo que não entrava no blog. esther vive uma maratona desde o final do ano passado. resolveu uma série de problemas familiares e na última ida ao rio - em janeiro - voltou com problema circulatório... e ainda luta com isso. soma-se a isso uma gripe danada que se alojou por aqui desde a semana passada... só benzendo, amiga. rárá! e tirando essas coisas, tudo bem. ainda bem. como a conexão é fraca, não tem entrado muito na internet também. outro dia eu sei que deu uma atualizada no porcas, mas está vendo? nem eu fui ver... porque a coisa aqui é a manivela, rs. ela está aqui e manda beijos, sente saudades. a vida como está? o tempo está enlouquecido também em juiz de fora? anteontem o temporal foi tão forte, que estamos com um eucalipto caído no quintal... os rios subiram... ficamos ilhadas, literalmente. o bom é que um tanto de poesia existe no meio disso. ou em meio a isso. beijos saudosos. dê notícias. prometo vir ainda essa semana =D

BETO PALAIO disse...

Ah!.............................................................................................................................................................................................................................................................................e aí então...

Leonardo Davino disse...

Gostei muito da sua proposta de blog.
Aproveito para divulgar o Projeto 365 canções:
http://www.365cancoes.blogspot.com/

Abraço